quinta-feira, 3 de novembro de 2016

não



eu carrego todas as ausências
e de tudo que não tenho
nada me faz falta

perdido  foi o seu sorriso
a carta da canastra
no fim do jogo

no fim da noite sozinho
quando algo me diz
"foi melhor assim"

segue o meu amor inédito
onde pelo caminho
eu sou o sol

nas manhãs de domingo
eu sou a neblina
em silêncio

aquela canção era linda
mas eu só sabia
pedaço do refrão

perdão mil vezes perdão
a minha poesia
às vezes diz não



Nenhum comentário: